POESIA DE UM AMOR PERDIDO

Gostou? Dê sua nota

REPOUSA MINH’ALMA

Esta alma que agora chora
já antes chorou
encerra em si uma triste história
de amor
vivido e esquecido
olvidado num canto qualquer
como se fosse um esquina
da rua mais lúgubre, mais contundente.

E nesse vértice
das voltas que já deu
um vórtice voraz de dor a consumiu.
Seu âmago desnudo expõe neste poema
cantando a lágrima que hoje rolou

Repousa minh’alma silente.
De nada ousa clamar;
tudo se consumou como previsto
tudo torna a se aquietar.
Quantos arroubos de alegria feneceram
duras penas arrasaram dias de existência
a história foi posta à mostra
neste espaço, sem celebração.

Invente o presente com pequenos mimos
para se agradar de estar viva,
aqui, agora.
Nada parece com os sonhos bons,
ser ímpar em coletividade é cruciante
Que horror!

A hora já passou largamente
repousa minh’alma,
deixa-se estar, relaxa.
E pensa na doce voz que murmurou
acalantos de margaridas mimosas
que estão sempre lá.

Primavera de 2008

Aurora: Sonia Mariza, “cite-se Martuscelli”,
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original.

BlogBlogs.Com.Br

Tudo sobre o namoro: manual para garotas, sexualidade, traição, infidelidade, amor, romance, paixão, dicas, testes, pesquisas, sexualidade, verdades e mentiras, sexo, inveja, vídeos

Deixe sua opinião aqui! Comentários com links não serão aprovados, sorry!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: